Princesas de tênis,mochila e o quintal de mundo. Da série: Mulheres Fodas! por Viviane Pinheiro – Entrevista News

Princesas que decidiram serem livres pelo mundo…isso mesmo, podemos ser o que quisermos sem rótulos e ser feminina, bonita, empoderada e livre.
Esse sentimento de liberdade a viagem é mestre em nos trazer, uma beleza de dentro para fora, que brilha em nossa caminhada de vida.

…teria mais se não passasse tanto tempo no mesmo lugar apenas pagando boletos, contas etc.

Viviane Pinheiro
Partiu mundo…
Vamos conhecer um pouco sobre a Viviane Pinheiro, 38 anos, de São Bernardo do Campos – SP uma mulher que decidiu cair na estrada, resolveu seguir seu sonho e seus instintos…

O que te motivou a largar uma vida “tradicional” e cair na estrada?
Bom, tudo deu início em Novembro/2018. Depois de alguns meses ter perdido o emprego, o chão. Nunca me senti confortável com o estilo de trabalho, ao “cárcere” que nos fazem, a matrix que vivemos. Então, fui atrás de respostas, em contato com a natureza. O lugar melhor que poderia escolher, Ubatuba. O local perfeito, ter me hospedado pela primeira vez em hostel, o Green Haven. Me abriu as portas para o mundo. E sim, tive a resposta que buscava. E o universo me trouxe as pessoas certas.
Família e amigos te julgaram?
O apoio maior foi dos meus amigos próximos e filha, que é com quem divido os meus dias. Minha família não julgou, mas no início ficaram receosos. Quando disse que faria um mochilão pelos países da América do Sul, sem data de retorno, não entendiam o que era isso e me perguntaram se eu tinha feito algum pacote de viagem(risos).
Filha Yasmin
Qual sua profissão? Teve que mudar de profissão para essa aventura?
Sou formada em Logística. Atuei sempre na área da saúde. Agora sou designer de sobrancelhas, manicure e faço brigadeiro gourmet.
O que tem na sua mochila, para essa viagem sem data de volta?
Foi difícil desapegar das minhas coisas. Somos condicionados à ter muito o que não precisamos. Refiz a mala uma 10 vezes, priorizei o básico: peças curingas e confortáveis . Nada que amasse muito ou faça volume. Levo peças em malha e suplex (regatas, camiseta, short, legging, vestido, segunda pele) calça jeans que uso quando vou pegar estrada e bota trekking, short jeans,blusa de pluma, echarpe, um chinelo, dois tênis(corrida e passeio), material básico de higiene e cuidados/medicamentos.
Como ela organiza sua mochila.
Ser mulher em uma sociedade machista é:
Complicado às vezes. Tenho a sorte de todos os homens me apoiarem nesta jornada. Sou muito grata.
Como pretende se manter na estrada? Voce juntou dinheiro antes da partida?
Em algum momento, farei troca de trabalho. Sou digamos versátil, sei desde fazer uma faxina à administrar. Não tenho frescura. Tenho uma pequena reserva. Teria mais se não passasse tanto tempo no mesmo lugar apenas pagando boletos, contas etc.
Curitiba
O que diria para as mulheres que querem viajar sem prazo de volta…
Planejem, tracem metas, priorizem, cortem supérfluos. O medo faz parte de toda mudança, trate-o com respeito. Escolhas há renúncias, mas que podem te transformar em um novo ser.
E deixem que o mundo descubra você! O universo conspira à seu favor.

 Siga a Vivi  no instagram:  @viviporai


Leiam também

O perigo da mulher viajar sozinha pela Ásia!! Vem cá que eu te conto…Por Aline Monteiro – Entrevista News 


O blog vai acompanhar toda a viagem da Vivi, de tempos em tempos vamos informando vocês, pelo nosso instagram e deixe seu e-mail para ser notificado, todo segunda tem post novo.

@maeefilhatrips
Beijão da Mamis 

About Janah Leite

Pedagoga, ama ser a mãe da Maria, gosta de inspirar as pessoas a viverem seus sonhos. Está em mudança de profissão para finalmente viver o nomadismo digital, que é sua grande meta de vida, junto com sua filha. Sempre tem uma visão positiva de seu posicionamento no mundo. Encara a viagem como uma busca constante de compreender o comportamento do ser humano, em suas diversas facetas, criando mais empatia e entendendo que somos iguais em diversas necessidades, independente da cor, religião, opção sexual e classe econômica.